PROJETO DO NUPEM RECUPERA ORLA NATIVA

  • Post author:
You are currently viewing PROJETO DO NUPEM RECUPERA ORLA NATIVA
Fernanda Costa, servidora da SEMASPA, Juninho Luna, secretário municipal de Meio Ambiente, professores Rodrigo Lemes, Carlos Barboza, Ocimar Ferreira, Luciano Fischer e voluntários.

A recuperação de parte da restinga da orla da Praia dos Cavaleiros segue com novas ações. Após a retirada de plantas invasoras pela Secretaria Municipal de Ambiente, Sustentabilidade e Proteção Animal no dia 05 de setembro, ocorreu a confecção de placas autoexplicativas para identificação das espécies. Já no dia 19 foi realizado o novo plantio, cercamento e instalação das identificações, a cargo de alunos e voluntários do projeto Vivenciar Livre.

A área revegetada mede 120 m² está localizada em frente ao Tênis Clube sede de praia e faz parte do Projeto Ecológico de Longa Duração –Restingas e Lagoas Costeiras do Note Fluminense – PELD-RLac e Projeto Monitoramento e Conservação de Praias Arenosas do Norte Fluminense: uma abordagem multidisciplinar. A fim de proteger as mudas, o local foi cercado, espécies identificadas e foram instaladas placas para conscientização dos frequentadores sobre a importância de sua conservação.

As mudas estão sendo produzidas por Ocimar Ferreira, professor do Instituto Federal Fluminense – Campus Cabo Frio e doutorando do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais e Conservação do Nupem e Murilo Minello, professor IFRJ – Instituto Federal do Rio de Janeiro – Campus Arraial do Cabo. É no Laboratório de Ecotoxicologia e Microbiologia Ambiental, do IFF, onde a “mágica” acontece. Prof. Ocimar explicou que “podemos multiplicar, em viveiros, os fungos nativos, que vivem no local do plantio, e inoculá-los nas plântulas que serão utilizadas para revegetar áreas impactadas, como as restingas. Depois de rustificadas, elas são transplantadas em sacos biodegradáveis e levadas para o local de recuperação da vegetação nativa. É isso que estamos fazendo aqui nesse espaço experimental no fragmento de restinga da Praia dos Cavaleiros”. Todo este processo pode garantir a durabilidade e sucesso da ação.

O projeto vem motivando os participantes, que esperam que ocorra também em outros locais. Segundo a aluna Luana Rohwedder Zuffo, “quando unimos pessoas de diferentes coletivos em um mutirão, o impacto de conservação do meio ambiente local se multiplica. Experiências pessoais são compartilhadas e projetos saem do papel. E o que era pouco se torna muito, com muitas cabeças pensantes e mãos atuantes. ”

 

Apoio: CNPQ, PELD-RLaC, Faperj